terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

UM LOUCO

Vim morar em Porto Alegre no ano de 1989 e naquela época conheci um louco que ficava sempre na frente do meu apartamento, na calçada, sempre cheio de bolsas, garrafas, sacos com resto de comida e seus dois cachorros. Um louco, mas não se sabe o motivo.
Todo dia eu passava por ele e via que ele nunca quis fazer mal a ninguém. Só queria ficar ali na calçada esperando que alguém lhe desse algo pra comer, porque água ele pegava nas torneiras dos prédios mesmo, enchendo suas garrafas de plástico.
E o tempo foi passando... fui pra lá e pra cá... mudei de cidade...
Há alguns anos voltei pra Porto Alegre.
Numa dessas, fui visitar meu pai que hoje em dia mora numa rua perto daquela que morávamos.
E quem eu encontro? O mesmo louco, agora um pouco mais judiado pelo tempo, com suas bolsas, garrafas, seus sacos com resto de comida e seus dois cachorros também judiados pelo tempo.
Só que aí tem um detalhe...
Meu pai mora em frente ao prédio de uma empresa do governo municipal. E o louco também.
Mas o que me chamou a atenção é que funcionários dessa empresa ficam provocando o pobre louco e ele fica ali gritando.
Pobre louco...
O nome dele é RODRIGO.

3 comentários:

marcopedezert disse...

E aí bagual? È o teu conterrâneo " Marqueta ". Baita abraço. Ah! Manda outro pro Leonel. Como faço para saber das andaças do artistas. ( vocês é claro). Tchê! de loco todo mundo tem um pouco.

Camilla disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Juliano Gomes disse...

e aí Marqueta?
tudo bem?
as andanças tu fica sabendo através de nossos orkuts ou do blogger Apaisanado.
abraço.